Arquivo da categoria: História da Moda

A ORIGEM DO SALTO ALTO: DOS PÉS MASCULINOS PARA OS FEMININOS!

Padrão

Acredito que muito poucos dos leitores do nosso S.O.S tenham parado para se perguntar quando surgiu o calçado símbolo da feminilidade: O salto alto. Esse calçado considerado vilão pelos ortopedistas, é símbolo de elegância no mundo da moda e fetiche do imaginário masculino. Pesquisando descobri um fato super interessante, embora inspirado pelas mulheres, foram os homens que começaram a usar e difundir o uso do salto alto, dá para acreditar?!

ORIGEM:

Rainha Catarina de Médici

Historiadores apontam que os primeiros indícios do uso de calçados foi no Egito, pinturas murais de 3.500 a.c, retratam o seu uso pelas classes mais altas, os demais andavam descalços. Dizem que  CATARINA DE MÉDICI, quem popularizou os sapatos de salto alto, filha de uma distinta família italiana de Florença, ela foi a Paris para se casar com o futuro Rei Henry II da França. Por ter apenas 14 anos e ser baixinha, carregou na bagagem vários sapatos feitos por um artesão italiano com saltos que a deixava mais alta, moda adotada pelo Rei Luís XVI  e proibido as mulheres, sendo consideradas pelo parlamento inglês feiticeira todas as mulheres que usassem sapatos de salto alto para seduzir ou atrair homens ao casamento.

EVOLUÇÃO DO SALTO ALTO:

Fonte: AIRES, Lidiane. Aventuras na História, São Paulo, ed. Abril, nº 106, mai.2012. Disponível em http://guiadoestudante.abril.com.br/estudar/historia/revista/

Calçados dos anos 1.400 e 1.500

Em 1.400, surge os sapatos com solado de madeira, uma versão antiga do salto plataforma, considerado primeiro salto da história, chamados “chopines”, criado na Turquia e usado pelas mulheres nobres da Europa. Por volta de 1500, Passou a ser adaptado para uso dos cavaleiros que precisavam de calçado que prendesse as rédeas e desse instabilidade para atirarem o arco e flecha, sendo confeccionado em duas partes, uma superior flexível unida com uma sola mais pesada e dura; Os sapatos e sandálias com plataformas, podiam chegar até 65 cm de altura.

Rei Luís XIV

 No início dos anos 1700, o rei da França, Luis XIV adotou o salto em suas vestimentas e decretou que só a alta nobreza podiam usar salto. Diziam as más línguas que o rei Luis XVI, não passava de 1,60 o que lhe causava incomodo e abusava do uso dos saltos. Até então, era uso exclusivo do vestuário masculino e apenas na corte de Luís XV, passou a ser utilizado pelas mulheres. Nesta época, foi promulgada na Inglaterra uma lei que permitia ao marido anular o casamento se a noiva falsificasse sua altura, usando chopines durante a cerimônia.

Calçado masculino da baixa classe : Idade média

Calçado da nobreza

Uma característica dos calçados desta época era que os saltos deviam ser vermelhos, embora o restante do calçado fosse de qualquer outra cor, o vermelho era representação de poder e nobreza. Logo, a moda do bico fino ganha popularidade entre os homens, indicando virilidade, quanto mais longo o bico era considerado mais viril, podendo ser usado por homens de baixa classe, porém, o uso dos saltos só era garantido aos ricos e bem nascidos.

Em 1791, Napoleão Bonaparte erradicou o seu uso, porém, em uma tentativa de mostrar igualdade Maria Antonieta  entretanto, o ignorou e calçou um lindo par de sapatos com salto de 5 centímetros para ser guilhotinada. Os saltos voltam a cena por volta de 1800, com uma variedade incrível. Conquistam a América,  porém são associados à casa de meretriz, isso porque casas de shows suspeitas de New Orleans,  importavam garotas francesas que usavam saltos altos. O sucesso delas com os clientes foi tão grande que em 1890 a primeira fábrica de saltos de sapatos se estabeleceu em Massachusetts.

 Até o ano de 1822 os dois pés do sapato eram iguais. Foi neste ano que sapateiros norte-americanos criaram o sapato torto, em que o pé direito é diferente do pé esquerdo. Foi nesse período (meados de 1900), que os sapatos deixaram de ser fabricados por simples artesãos e surgiu o novo personagem da moda, o bottier, ou sapateiro, e/ou o designer de sapatos.

No final do século XIX e início do século XX o salto se populariza e surgem versões mais confortáveis. As estrelas hollywoodianas contribuíram para dar a fama e mais elegância aos sapatos de salto alto. Umas das referência dessa moda foi a atriz Marilyn Monroe.

Salto agulha

No pós-guerra, em 1950, com a revitalização da moda, os saltos se popularizam e Christian Dior e o designer Roger Vivier desenvolvem o salto agulha (ou estilete / “stiletto”). Em alguns prédios públicos era até proibido entrar com esse tipo de sapato devido aos danos causados no chão.

Atual salto masculino

Atualmente há uma infinidade de modelos, saltos e design. E embora tenham ganhado fama nos pés masculinos, se tornou um dos principais símbolos de elegância e sensualidade feminina. Usar salto, demonstra o poder da mulher, derrubando as barreiras do machismo, da divisão de classe e do preconceito. Sua popularização avança quanto ao gênero, ainda hoje, sendo usado por homens e mulheres, porém, com padronagens e designeres que favorecem a tendência de cada época.

Fontes: Palavras Soltas no ar / Info Diario / Google imagens

Beijocas da Fabi e Até amanhã.

Anúncios

História do Esmalte de unhas e Tendência para o Outono/ Inverno 2016

Padrão

 

Oi meus amores! Hoje é dia “matarmos” nossas curiosidades aqui no Blog. E recentemente pintando as minhas unhas fiquei me perguntando, quem  será que inventou o esmalte? quando será que ele surgiu? E indo em busca de responder aos meus questionamentos não poderia deixar de dividir com vocês as minhas descobertas. Ficou curiosa também? Então viaja comigo.

QUANDO SURGIU O ESMALTE?

Em 1920 pela empresa Elka. Porém, só se populariza em 1932, quando Charles Revson e seu irmão Martin se unem ao químico Charles Lachman e criam o primeiro esmalte oficial de unhas no formato de hoje, pela empresa Revlon, fundada no mesmo ano por eles.

ANTERIOR A ISSO…

3.500 a.c – As egípcias pintavam as unhas com henna preta, as mulheres de classes mais abastadas usavam henna vermelha, cor preferida de Cleópatra. Os dedos eram pintados até a metade;

3.000 a.c – Os chineses utilizavam uma mistura de clara de ovo, goma arábica, cera de abelha e gelatina, além do estrato de plantas medicinais para colorir e dar brilho as unhas;

600 a.c. – A civilização zhou usa pela primeira vez pedaços de metais na ponta dos dedos;

No início do século XIX, as unhas eram mantidas ao natural e com brilho, graças aos cremes cosméticos. Os cuidados com as unhas incluíam massagem com manteiga de cacau, vaselina ou azeite para dar brilho. Uma mistura composta de óxido de estanho, carmine, azeite de lavanda e óleo de bergamota, também era usado;

 Em 1920 – Surge o primeiro pigmento conhecido como esmalte, confeccionado à base de tinturas para carro;

1930 –  As mulheres pintavam apenas o centro das unhas e passava um lápis branco na meia lua, deixando a ponta ao natural;

1932 –  O revolucionário “creme do esmalte” veio da pequena empresa Elka, com sede em Newark, New Jersey, fornecedora do produto para salões de beleza para quem Charles Revson começou a trabalhar como representante de vendas em 1931 e dentro de um ano, decidiu abrir sua própria empresa entrando em parceria com seu irmão e o químico chamado Charles Lachman – da Chemical Company Dresden,  (fabricante atacadista e distribuidor  de polimento de unha) que contribuiu com o “l” ao nome da Revlon. A Revlon foi constituída em 01 de março de 1932. – Revlon Nail Polish Corporation. O esmalte para unha foi o primeiro item de beleza da Revlon, cremoso  e de longa duração, devia sua superioridade ao uso de pigmentos, que permitiu uma maior gama de tons vermelhos;

 1940 – O boom do esmalte é influenciado pelas estrelas de Holywood. Surge a tendência do esmalte combinando com a cor do batom.A Revlon é frequentemente citada como tendo inventado a ideia de combinar cores de lábio e unhas, mas não é bem assim – Cutex, a maior concorrente da Revlon, tinha sugerido essa ideia em 1932, e vendeu batom correspondente a cores de esmaltes por meados dos anos 30 (Revlon não vendia batons naquela época). A Revlon popularizou o conceito a partir de 1939-40, quando batons foram adicionados à sua linha;

1990– Acaba a tendência do esmalte combinando com o batom e surge as tonalidades “exóticas” (roxo, azul, amarelo, cinza, branco etc);

Século XXI– Os japoneses popularizam a Nail Art. No Brasil as marcas mais antigas de esmalte são: a Colorama (60 anos), a Risqué e a Big Universo (ambas, 40 anos). Atualmente existem mais de 30 marcas de esmaltes no mercado nacional e uma vasta variedade de cores e tonalidades e efeitos.

CORES E TENDÊNCIAS OUTONO/INVERNO 2016:

No outono e inverno as cores sóbrias e fechadas reinam e nunca saem de moda.Portanto, toda mulher deve ter em seu estojo de manicure um esmalte preto, vermelho, vinho, marrom e cinza que são clássicos destas estações. Mas, em meio a tanta sobriedade nos looks, quem disse que não podemos quebrar essa seriedade com outros tons. Com a volta das estampas militares e o camurça em alta nesta temporada. As cores verdes, laranja e azul ganham destaque nos tons mais fortes.

 Os esmaltes verdes são tendência. As Peles mais claras combinam com todas as tonalidades, já as negras, quanto mais escuro o tom da pele, devem optar pelos tons mais claros, a exemplo do verde abacate e verde água. Particularmente, não acho bonito os tons verdes em metálico para as negras, deixam as mãos com visual pesado, chamando muita atenção, tendendo ao vulgar, em contrapartida ficam super charmosos nas peles mais claras.

 No outono/inverno o laranja quebra a seriedade dos looks fechados e combina muito bem com o estilo folk,  e com os looks em couro. Nestas estações, opte pelos tons mais fechados, metálicos e água. Deixe os tons neon e laranjas amarelados para o verão. Combinam com todos os tipos de pele, inclusive as mais claras. E combina muito bem com os batons laranja.

 Os esmaltes azuis tem ditado tendência desde o ano passado e a versão mais escura tem caído no gosto da mulherada. Combina muito bem com os looks do outono/ inverno, principalmente com os jeans e tons neutros claros. A minha única ressalva seria, apostar nos tons azul amarinho e azul cobalto para as mais claras, e os tons azul royal e celeste para as negras. E para que as unhas não manchem ou fiquem escuras com as cores fortes dos esmaltes, não esqueçam de usar sempre uma base transparente antes de pintá-las.

INSPIRE-SE…

        

Espero que tenham gostado e inspirem-se.

Beijocas da Fabi e até amanhã.

Fonte: